Casamento por procuração

Casamento por procuração

O casamento pode ser celebrado por procuração. O "faço" pode ser expresso através de uma pessoa que não os noivos, através de procurações, mas esta é apenas a externalização do "faço", não é um representante normal, uma vez que um representante normal tem um certo alcance para criar, através da sua vontade, esse consentimento, você lhe dá um enquadramento. Aqui não há um quadro de ação, o representante é um núncio ou mensageiro.

O artigo 55 do Código Civil diz-nos:

"Pode ser autorizado no registro de casamento que a noiva que não reside no distrito ou na demarcação do juiz, prefeito ou oficial autorizador celebre o casamento por procuração a quem ele concedeu procuração especial de forma autêntica, mas será sempre necessária a assistência pessoal da outra noiva.

A procuração determina a pessoa com quem o casamento deve ser celebrado, com a expressão das circunstâncias pessoais necessárias para estabelecer a sua identidade.

O poder será extinto pela revogação do mandante, pela renúncia do procurador, ou pela morte de qualquer um deles. Em caso de revogação pelo mandante, bastará que ele faça a sua declaração de forma autêntica antes da celebração do casamento. A revogação deve ser imediatamente notificada ao juiz, ao prefeito ou ao oficial autorizado".

A partir de 30 de junho de 2017, o diretor não será mais obrigado a residir em outro distrito ou limite. A nova redacção do artigo é a seguinte:

"Uma das partes contratantes pode casar por procuração, a quem deve ter concedido poderes especiais de forma autêntica, sendo sempre necessária a assistência pessoal da outra parte contratante.

A procuração determina a pessoa com quem o casamento deve ser celebrado, com a expressão das circunstâncias pessoais necessárias para estabelecer a sua identidade, e a sua validade é avaliada pelo secretário judicial, notário, secretário civil ou funcionário que processa a certidão de casamento ou o processo antes do casamento.

O poder será extinto pela revogação do mandante, pela renúncia do procurador, ou pela morte de qualquer um deles. Em caso de revogação pelo mandante, bastará que ele faça a sua declaração de forma autêntica antes da celebração do casamento. A revogação será imediatamente notificada ao secretário judicial, notário, escrivão ou funcionário público que se encarregue do registo ou processo pré-nupcial, e se já tiver sido concluída à pessoa que vai realizar o casamento".

A dupla representação não é permitida, ou seja, uma das partes contratantes deve estar presente, as duas não podem ser representadas e o poder de casar deve estar em documento público, caso contrário, seria um casamento nulo.

REVOGAÇÃO DE PODERES

A energia vai-se abaixo:

  • Pela revogação do mandante
  • Por demissão do procurador. O procurador não pode mudar de pessoa, mas não pode exercer o poder. Ele ou ela está autorizado, mas não é obrigado a agir.
  • Para a morte de qualquer um deles.

Para a revogação, bastará expressá-lo de forma autêntica antes da celebração do casamento e será imediatamente notificado ao Secretário Judicial, Notário, Responsável do Registro Civil ou funcionário que processará o ato ou processo antes do casamento, e se já estiver terminado, àquele que o celebrará.

Fotos cortesia e copyright do Free Range Stock, www.freerangestock.com
Partilhe isto:

Sem comentários

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.